Momento arquiteto no banheiro: de olho na economia de água

Sempre que faço um post sobre restaurantes, guardo um espaço para falar sobre o banheiro, afinal, quando estamos em ambientes que tiveram a mão de um arquiteto, esses pequenos espaços costumam nos reservar boas surpresas. Como assim? Veja meus posts sobre os restaurantes Boragó, Aqui está Coco e Nau Frutos do Mar e saiba do que estou falando.

Continuando nossa visita ao Oceanário de Lisboa, que começou em um post anterior, me vi na obrigação de também falar sobre o banheiro… Não que tenha algum peixe curioso por lá, ou seja um ambiente de arquitetura surpreendente. Dessa vez, a novidade foi a preocupação sustentável para usar a palavra da moda.Talvez em poucos anos, quase todos os banheiros de estabelecimentos adotem essas ideias, mas por enquanto, essas são soluções que eu ouço falar, mas não vejo todo dia.

Uma pausa para ir ao toilette.

Nesse banheiro foi a primeira vez que usei um mictório “sem água”. Como assim? Fala Manoel: Ora, pois, é sem água porque não é preciso dar descarga, portanto não há consumo de água! No ralo do mictório existe um pequeno compartimento com um líquido que permite a passagem do xixi e ao mesmo tempo veda a tubulação contra o retorno de odores.

Depois de fazer um xixi, minha mãe já dizia: lave as mãos!

As pessoas são muito diferentes, portanto a melhor solução para economizar água em lavatórios é a que limita o consumo, mas se adapta bem aos comportamentos diversos. No Oceanário de Lisboa, a opção foi a da torneira com sensor. Enquanto as mãos estão embaixo da torneira, o sensor libera água. Tirou, parou. Além disso, não é preciso tocar em nada! Quer coisa mais contraditória que lavar as mãos e sujar imediatamente abrindo uma torneira?

Duas folhas, por favor.

Outra contradição que vejo no pequeno mundo dos banheiros é o grande volume de resíduo de papel gerado apenas para enxugar as mãos! Lá no Oceanário, isso foi resolvido com a instalação de um super-mega-hiper-high-plus secador de mãos! Fiquei tão emocionado que pensei em fazer um vídeo, mas ficou complicado… O vento quente é tão forte que praticamente você vê sua pele se movimentando sobre as mãos! Você pode estar com suas mãos pingando, mas na frente de um tutano de vento daquele é certeza ela ficar enxuta em poucos segundos! E é o fim das pilhas de papel úmido! Esse é o futuro: substituir matéria por energia!

| Eu vou | Petter Dantas | 2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s